Resenha: O triste fim de Policarpo Quaresmo - Lima Barreto

Olá seguidores, primeiramente gostaria de pedir desculpas pela nossa ausência nessa semana aqui no blog, mas é que a semana foi bem corrida. Estamos a algum tempo sem resenhar aqui porque eu e a Samella tivemos que interromper nossa lista de leitura para ler o livro "O triste fim de Policarpo Quaresma", exigido pela escola.
Agora vamos à resenha!


Título: Triste fim de Policarpo Quaresma
Autor: Lima Barreto
Classificação NPL: 3/5 

Policarpo Quaresma é um major cheio de idéias nacionalistas que trabalha como funcionário público no início da República. Ao defender que o tupi se torne a língua nacional, é ridicularizado e depois internado como louco. Quando finalmente é solto, vai morar no campo e resolve transformar seu sítio em sede da reforma agrária. Apóia o marechal Floriano na Revolta da Armada mas é ignorado, acabando preso e fuzilado. Uma sátira impiedosa do Brasil burocrático, atual e reconhecível apesar de referir-se a um momento histórico marcante.





Major Policarpo Quaresma é um homem estudioso, dedicado aos livros e a todo tipo de conhecimento referente à nossa pátria. No entanto esse seu hábito não é bem visto pelas pessoas, já que naquela época apenas as pessoas que possuíam bacharelado eram dignas de ler algum tipo de livro. 

Policarpo era um homem solitário; vivia na companhia de sua irmã, Adelaide, e fizera um novo amigo recentemente, o trovador Ricardo Coração dos Outros, que iria lhe ensinar a tocar violão, um instrumento tipicamente brasileiro, contudo desaprovado por todos, sendo que quem tocava era considerado vagabundo, farreador. 

Diante de tanto patriotismo e devoção pelo seu país, o Major faz uma proposta ousada à Câmara, em que ele insiste que o Tupi Guarani deve ser o novo idioma oficial do país, já que a língua é a mais importante manifestação cultural de um povo e nós, como brasileiros, deveríamos manter nossas origens, a começar pelo nosso idioma.

Taxado de louco, Major Quaresma fica internado em um hospício durante 6 meses, recebendo de vez em quando a visita de seu compadre, Vicente, e a afilhada, Olga, além de sua irmã e Ricardo. Passado os seis meses, o Major decide mudar-se para o campo e compra o sítio "Sossego", de onde tiraria seu sustento e provaria a eficácia das terras mais férteis do mundo. 

Inicia-se a segunda parte do livro, que faz referência à agricultura e à tentativa frustada de Quaresma. Suas plantações são invadidas e arrasadas por formigas saúvas, e mais tarde, sua nova tentativa de plantio é vítima da infertilidade do solo. 

Mais uma vez nosso patriota sente-se decepcionado. Porém não desiste de defender sua pátria e junta-se ao Marechal Floriano Peixoto, a quem ele tenta mostrar algumas propostas de reforma, na Revolta da Armada para defender o país dos ataques promovidos pelos rebeldes da Marinha brasileira. A terceira parte do livro é dedicada aos acontecimentos durante a Revolta. 

Durante toda sua trajetória e com todo seu nacionalismo exacerbado, Policarpo sente-se apenas frustrado e decepcionado com o destino de sua vida. Todos os anos dedicados a seus estudos e suas necessidades de exaltar nosso país acabam lhe custando um preço que talvez não valha a pena. 

O livro é um romance do pré-modernismo brasileiro, narrado em terceira pessoa por um narrador onisciente, e com um linguagem simplista, recheado de coloquialismo, opondo-se firmemente ao parnasianismo, marcado por uma linguagem culta. 

Um livro fácil de ler, embora seja cansativo em determinados momentos. Um clássico da literatura nacional que deveria ser lido por todos! 

3 comentários:

  1. gente eu nao gosto mt desse livro nao o-o e eu já li ele

    ResponderExcluir
  2. Oláa!
    Eu já li esse livro e assim como você achei um livro fácil de ser lido, porém bem cansativo em algumas partes. Acho que é um clássico que vale a pena ser lido e uma "luta" que vale a pena ser conhecida. Me refiro a luta quando falo do patriotismo dele e tudo que ele vez em prol disso. :)
    Beijoo, tô seguindo!

    ResponderExcluir
  3. Eu o li há cerca de 20 anos, quando ainda estava no segundo grau. Ainda me lembro de algumas partes do mesmo. O que mais me impressionou foi sua paixão pela nossa querida e amada terra BRASIL.
    Foi com esse livro que ganhei gosto pela leitura o que me ajudou profundamente na faculdade.

    ResponderExcluir